Flor de Inverno

254622107_640

Há instantes em que as maiores trivialidades nos inspiram. O universo tem formas particulares de nos exortar a abrir os nossos horizontes visuais e mentais. Dias em que se funda um novo meio de alento para tudo o que criamos a partir então. Ontem teve lugar um desses momentos.

Eu preparava-me para terminar de jantar, todavia, como em abundantes noites de feriado costumamos receber alguns familiares para nos acompanhar e era frequente que os mesmos continuassem na conversa, permaneci mais um pouco para ouvir os tão comuns comentários jocosos sobre o estado das coisas. Sempre apreciei estas ocasiões de distração entre família. O que eu não desconfiava era da importância do que se ia narrar a seguir.

Não me perguntem como se preludiou o assunto, de fato, não me recordo. No entanto, o que jamais abandonará a minha memória foram as mélicas palavras que a minha mãe proferiu sobre o meu bisavô da Ucrânia, também designado simplesmente de avô…

… O teu avô, pertencente ao exército vermelho, um dia contou-me esta estória – afirmou a minha mãe no tom calmo de quem rememora dias ulteriores. Ele falou-me de numa jornada invernal antes de conhecer a tua avó. Havia fogo cruzado e ele encontrava-se numa trincheira na Polónia. Imprevistamente, o soar das armas cessou por completo. Muitos dos soldados saíram para tentar perceber o que se impunha. Tudo aparentava calmo. O teu avô preparava-se para se levantar da trincheira, contudo, algo lhe captou a atenção por breves segundos. Ele avistou uma belíssima e imponente flor no meio da neve. Ora, sendo um evento raríssimo no inverno, tal desviou o seu olhar para a contemplação dessa preciosidade. Ele decidiu acocorar-se para poder apanhá-la e nesse mesmo instante uma bomba explode perto do local onde estava. Todos os soldados que outrora se haviam levantado tinham morrido. E ele permanecera ali, imune a tudo. Não obstante, o mais impressionante foi o fato de ele se ter apercebido pouco depois que tal flor não existia. Tinha sido tudo fruto da sua imaginação…

Fiquei sem palavras. A magnificência do universo nunca findará de me surpreender. E então compreendi. Se o meu bisavô ali tivesse perecido, eu nunca viria a existir. Eu havia sido salva por uma flor imaginária. Uma flor de esperança. Uma flor divina. Uma improvável flor de inverno.

By Pippa* (Novo Acordo Ortográfico)

O meu terno avô

Grandfather-1024x769

Tal como vos havia confidenciado num anterior momento literário, oiço frequentemente quem discorra sobre a excessiva pessoalidade da minha escrita. Não obstante, penso que tal me aproxima de vós, leitores, e pretendo com sinceridade continuar a recorrer à mesma para consolidar este nosso vínculo singular.

Volto-me para o passado. O meu pungente outrora. Bem sei que não é saudável focarmo-nos em tal instância vital, contudo, careço desta viagem mental.

Visualizo o meu “Eu” de então com cerca de três anos, cabelo ondulado de tons castanho-claro-acinzentados apanhado num rabo-de-cavalo que finda em espirais perfeitas, sempre irreverente e de olhar luminoso, entretida a brincar junto do meu avô Luís com uns brinquedos multicolores quaisquer. Subsisto vagueando nas noites em que ele me induzia no mélico sono com a história dos gafanhotos que teimavam em saltitar.

De facto, de acordo com a premissa de que mãe é aquela que dá amor, tenho duas: a minha distinta amável mãe biológica e a minha sábia avó que ajudou a cuidar de mim. Conquanto, aplicando analogamente este mesmo princípio, pai tenho um: o meu avô! Foi ele que sempre lá esteve para amparar as minhas quedas e é nele que confio a minha vida. Agradeço ter um pai biológico, porém, todo o carinho paternal que obtive neste meu percurso cingiu-se sempre ao do meu avô.

Guardando as mágoas obsoletas na gaveta a que pertencem, quero apenas fixar-me no quão maravilhoso tem sido percorrer este caminho ao lado de pessoas que me apoiam e me amam incondicionalmente. Sem elas a minha vida teria sido estreitada, certamente. Um bem-haja!

Pippa S.