Sonhos de Liberdade

Copyright © All rights reserved

Do teu regaço faz-se luz. Doce rebento que brota puro, Crescendo se torna cruz, Mas nada lhe deduzirás de obscuro. Pois amor de mulher é cabal. Imutável, irrestrito e imortal. Na alquimia do afeto é ouro. Não há muro que lhe vede este tesouro E abale seu sentimento abissal. Sua condição é laboriosa, Ainda que …

Continue a ler

Oscilações viscerais, Dois corações tais Que batem iguais. Na calçada o pintassilgo dança. Daqui a pouco chora a criança, E aqui arcamos a temperança. Observas-me em jeito vivaz Com os teus olhos de amêndoa sagaz, Reluzindo, plenos de esperança. E batem iguais Dois corações tais, Oscilações viscerais, Aguardando a bonança.

Tenho sentido um bloqueio na escrita. Não consegui identificá-lo até agora. Entrementes, hoje determinei a sua verdadeira origem. Medo. Ocasionalmente cedo a um estado emocional saturado de temor. Tenho medo do amor. Tenho medo de desapontamentos. Tenho medo de estar viva sem viver inteiramente. Tenho medo do medo em si, porque me precipita para estes …

Continue a ler

    Por vezes perco-me na contemplação das tuas feições. Estas intrigam-me profundamente pois iluminam sentimentos distintos de um instante para o outro. Tanto vejo em ti o olhar afectuoso de quem almeja algo de magnânimo, como observo uma frieza equiparável ao Nabão em dias invernosos. Na verdade, não são inusuais os momentos em que me tomo pela …

Continue a ler

Tal como vos havia confidenciado num anterior momento literário, oiço frequentemente quem discorra sobre a excessiva pessoalidade da minha escrita. Não obstante, penso que tal me aproxima de vós, leitores, e pretendo com sinceridade continuar a recorrer à mesma para consolidar este nosso vínculo singular. Volto-me para o passado. O meu pungente outrora. Bem sei que não …

Continue a ler

E o tempo insiste na tepidez, à semelhança das minhas deambulações platónicas. A natureza teima em espelhar a minha alma morna, fatigada com as flutuações sazonais típicas de um coração combalido. Nada a fazer! Resta-me a agridoce cingência ao inevitável de que nem todos vivem para apreciar a naturalidade do amor. Nem todos morrem realizados com a …

Continue a ler

Preciso desse amor beber. Desse amor que trazes recôndito P’ra que jamais vivalma o deixe florescer. Careço esgarradamente desse amor maldito! Rosas quebradas no meu âmago, Tulipas cheias de nada que aconchego, Desejo apenas a noite abençoada Pelo sol que brilha em segredo. Vem até mim alvorada perdida, Vem até à tua dona insensata! Que …

Continue a ler