Poema: Transmutação

p1000892 (1)

Preciso desse amor beber.

Desse amor que trazes recôndito

P’ra que jamais vivalma o deixe florescer.

Careço esgarradamente desse amor maldito!

Rosas quebradas no meu âmago,

Tulipas cheias de nada que aconchego,

Desejo apenas a noite abençoada

Pelo sol que brilha em segredo.

Vem até mim alvorada perdida,

Vem até à tua dona insensata!

Que nesta noite desprendida,

A ti se sente ad aeternum grata.

Ouso desse insano amor tragar.

Atrevo-me cheia de intento.

Consente à rosa transmutar!

Que não seja derruída p’lo vento!

 

Precisava do meu canto

Typewriter-2

Há muito que ansiava por um espaço meu. Um lugar dedicado exclusivamente à escrita em português. Antes de mais, não me levem a mal dizer isto, adoro a nossa nobre língua, contudo, tenho de admitir que escrever em inglês tem sido libertador e tem, sem dúvida, ampliado as minhas capacidades literárias.Tudo por conta do meu antigo blog “Girly Dreams“. Todavia, sentia a necessidade de retornar às raízes, à minha língua mãe: o português. Precisava do meu canto. E aqui estou. Espero que este projecto seja frutífero e que vos consiga prender nesta viagem pelo meu universo literário, pelos meus sinceros pontos de vista, pela minha descrição da actualidade.

Philippa S.*  Copyright © All rights reserved

Fonte da Imagem